José Alberto Mar. Com tecnologia do Blogger.

Blogs Brasil

27.2.17

o silêncio serpenteia-se nas ondas


 
O silêncio serpenteia-se nas ondas do ar a boca da noite abre as flores do coração curva os sons que tem sempre à mão e o tempo habita-nos mais ao sabermos nos olhos as sombras que se despedem das árvores onde os pássaros acolhem os primeiros tons do dia sob o lençol verde às tantas da manhã pelas cinco e tal ou quase assim começam a sinfonar uma visão acesa para quem esmorece ainda é cedo ainda há o segredo de haver um mundo contudo sagrado.
 

 ( José Alberto Mar.Cabo Verde. 2009. Transformado em Jan.2017)


 

21.2.17

Plateau

 
~ Dedicado ao meu amigo Victor Mendes ~
 
Uma mulher negra coberta de panos amarelos sentada num banco de madeira pintado de verde, no jardim. Ao lado um Sr. de camisa & calças vermelhas, também sentado num banco verde à sombra de uma árvore com folhas tenramente ainda.
O sino do relógio dá 6 badaladas bem compassadas ao ritmo do calor hoje abafado, será que vai chover?
Passam mulheres e mulherzinhas agrupadas, com as bundas arrebitadas todas janotas em direção à igreja já apinhada de crentes para a missa domingueira. Espreito discretamente e parece-me haver ali um fervor amornecido, uma entrega naturalmente física à devoção, neste caso católica, mas esta fé lá no fundo terá algum nº de porta?
No jardim, um casalinho namora espreguiçadamente num outro banco de cimento que já não tem cor. Ela deitada sobre o colo ali à mão de semear e ele com as mãos dedilhadas no corpo da paixão. No chão quente do dia as suas sombras estremecem quase sem darmos por isso, evolam-se no ar em formas de carne & paixão e até encantam as flores sonolentas à volta.
Volto a dar 1 longo passeio. No mercado tudo são cores que se mexem. E volto ao lugar. A meu lado está alguém com ar de quem já não espera nada e também não se rala com isso. Talvez esteja em plena divagação do seu ser, talvez seja o seu modo de estar, talvez a luz do seu olhar esteja toda estancada no pequeno sol de dentro, e o que é que eu terei haver com isto?
Passam mais meia-dúzia de moços coloridos, todos alegres, entretidos com eles próprios, em direção aos finais da missa. Ouço o barulho de uma moto bastante na estrada ao lado, e leva atrás um gajo de patins a deslizar por ali como gente grande, lá vai ele a espalhar o seu imenso sorriso branco pela cidade adiante, adiante que é sempre cedo para se ser feliz.


José Alberto Mar

Cabo Verde. Ilha de Santiago. Praia – 2008 (alterado a Fev.-2017)

 

 

 

 

O pássaro solar ~ The solar bird

 
Autor: J.A.M.
TRABALHOS DE 1 JARDINEIRO, Cadeira de Van Gogh – Porto.2012. 

COISAS COMUNS

 
 
há pessoas assim, chegam-nos sei lá de onde, instalam-se num lugar qualquer mais substantivo do nosso corpo onde ciclicamente amanhecemos & morremos e parece-me que as levamos connosco para todo os lados, sem darmos conta da leveza que nos dão.
 
E com o tempo, prolongam-nos entre palavras anónimas nas conversas mais íntimas, sem nada sabermos do que acontece e que importa?
 
 (Junho.2007)

Tempos de Sinais ~ Signal Times

Atravessado pelo zen


 
e... meus amigos:  o ar dentro das gaiolas está engaiolado?

eu conto-vos: para meu espanto, algo realmente aconteceu e fiquei perplexo :
várias vezes  o ar se tornou mais leve e aí as palavras que escrevia  eram sombras estranhas & quando o silêncio pesava 1 poukíssimo mais,  inventava à sorte outros sons: kaziar, ooom, latuuda, maçala, tarugui,lubeduma, mucussueje.... etecetera

no próprio ato da busca retornava ao silêncio vivo onde as mãos lembravam somente algo que se eleva
e levanta o ar
soprando nas gaiolas  risos criativos.


A bem dizer eu só estava ali, para aprender a estar.




(14-Agosto-2009. Transformado em Abril-2012)

14.2.17

Sei lá



Estremece a estrela que vive naturalmente aberta
à escuridão & nos 2 olhos cintila
o véu do instante, a aparência maior
do que é superfície e aí se afoga
na multidão dos dias

há tanta vida  mecânica


Vejo nos gestos o silêncio amparado
pelo silêncio que aspiro
o lugar onde qualquer semente pensa
sonhando com tudo
pois nada do que é fruto
acontece sozinho.


 

Set. - 2009

não entres tão depressa por essa noite tão clara.( Natalie Merchand)