José Alberto Mar. Com tecnologia do Blogger.

Blogs Brasil

31.8.10

Série : O(s) GRITO(s) : (cada vez que me lembro até me esqueço) - voltar-me-ei a lembrar a 3 de Setembro de 2010 ?

- Imagem Construída. ("News from Portugal. Europe. 2010").
J.A.M. -

- Imagem Construída. J.A.M. -

5º pedaço de mim. Para 1 livro que há-de ser se fôr.




(...) consegui apanhar esta esplanada sozinho junto ao rio, tem cadeiras azuis cheias de letras encarnadas vivas e as águas de oiro, são verdes-escuras parecem paradas junto à barragem e a bem - dizer, nem se vê para onde correm.
1 bando de gaivotas poisadas ao longe, unidas por um silêncio uníssono que é vivo até aqui, olham completamente em direcção ao sol e à foz do rio, que talvez só elas vislumbrem

- Chegou ! e tudo ficou suspenso o caderno abandonado, estas palavras adiadas e , ela trouxe os seus 2 olhos verdes-claros-aclarando as águas do rio e todo o ar-à-minha-volta.
Depois fomos jantar a um lugar que tinha à nossa janela o mesmo rio ainda & outras águas, também havia o rio Sousa que morre naturalmente por ali nem um queixume lhe ouvi e uma sala sem os outros, sem barulho e tudo isto era o nosso reencontro, onde mergulhámos um no outro e vice-versos muitos, amparados por um arroz de marisco e uma garrafa de vinho que ficou por findar,
abandonada na mesa como uma jarra,
com duas flores de orquídeas brancas entrelaçadas , vi-as eu - garanto-vos - na altura (...)


-Agosto.2010 -

27.8.10

- Imagem Construída. Foto original: Cabo Verde.. Autor: J.A.M. -

'm Cria Ser Poeta (Paulino Vieira)

(however I came "this")




I return to silence.
where someones waiting for me, maybe
agreed that the lights have
and neither of them are wondering if
and I least I know mt
and then shut me because.



wast let you leave without a heart drawn
any role in the floor of the house
and now I know the weight of your silence
the apparent distance of what is and is not
in Life, all the shadows stirred
I want to say goodbye.

I want to stay, naked, outside to inside
until the empty transparent someone who no longer
All seem to bridge what is
peace, serenity awake, calm and very sweet joy.


if you return to insulate me from these sides
+ where I am than actually
Each junior maybe barefoot inside me
and through your eyes of emerald salt
2 I can cry tears of gold.
One will be for You & give thee with both hands
empty
and another, launch it within the sea
that our destiny is fulfilled even
as God wishes
drawing on the infinite time
a simple flower that seems eternal.

evening, absurdly dark, I do not know
is I who tell you now:
I died many times and a Mayan
rather, it is not enough: I want you to be born again
if you come to me again
will see how my lights welcome you
no, no, you will be frightened by the fires
much less blind, looking at the end of
I will be only apparently more distant but
much closer to your being chosen
for me (?) in this life chances certeiros
maybe we're two shadows + tumbled around here
(Ilu) mined aspen in their contours
where too many hands still embroider
words that no longer takes me to listen
Now to really shut me up.


(J.A.M. -2010)

;- )

Viagem de Campo




“Os que viajam mudam de clima, mas não de carácter”.


(Horácio)

HEAR of GOLD (Neil Young)

Porto & o seu Rio de Ouro

- Imagem Construída. (A partir de 1 quadro de uma amiga) . J.A.M. -

(despedida, kiçá)




à-minha-volta-tudo continua real mente
morto
com 1 ar bem/mal pesado de chumbo, negro
como o carvão kuando está frio



eu tento estar ao lado, abrir
minhas duas asas, ambas ao mesmo tempo
mui d e v a g a r i n h o, para que não se quebrem
pois o vento destas paragens também é danado.


Irei para onde?
pergunto-me, sabendo a única resposta que
, Já com as asas completamente abertas
desamparadas no pequeno & denso espaço deste mundo.

Talvez regresse akeles lugares, onde se fica mesmo
em silêncio total = enlaçado a Tudo, o que É mesmo Vivo
e vislumbre as palavras, as pessoas, a minha própria vida
e tudo o resto, bem bem ao longe
(na lonjura de um aparente esquecimento)
como apagadas sombras que se amparam
também pela gota de Amor que lhes envio
sem nada já querer saber do que me dizem


(27-Agosto-2010)



kuando o dia inundou o meu quarto...

Itálico- Imagem Construída. J.A.M. -


quando o dia inundou o meu acordar, fiquei a olhar
para isto perplexo, de boca escancaradamentte aberta,
até uma mosca, que aliás tentei trincar, me fazer
cair em mim
.



afinal Já não estava ninguém, a começar por "akele-mim" que fui - por horas - para ver até que ponto o esforço Humano, quanto ao Amor, existe mesmo.


Sei que deixei "akele-mim" rebentar com os limites de 1 tempo. Podia ter tido mais respeito pela Vida & pelas Leis que a assistem, confesso-me!

Eu-propriamente-dito, Eu-Mesmo, já "reunido" e com as trelas dos meus eus em ambas as mãos conduzidos, como sempre assim tem e terá de Ser, (to be or not to be )Também Sei que do outro lado desta margem, só poderei receber, quem me veja, para além de 1 pedaço de gestos & palavras , que aliás só uso:
mui raramente, por defesa afinal, por ainda deixar-me ser possuído pelos medos ,porque ainda não consegui deixar de Ser: humano.


(Ag.-2010)

msg

"Encontrar-se-á um Ninho na Floresta
No qual o pássaro de Hermes guarda seus filhotes.

Um quer sempre voar;

O outro, silencioso, permanece no Ninho.

Um não abandona o outro;

Ao contrário, cuida dele,
Como um homem, em casa, cuida de sua mulher,

Perfeitamente unidos pelo laço conjugal.



Ficamos felizes que assim seja,

Pois os colocamos juntos
E deixamos que Deus Pai reine sobre eles."

26.8.10

refllexão do (meu) dia

- Imagem Construída. J.A.M. -

entre Tanto, havia uma planta que caía curvada mente...

- Foto de J..M. -


entretanto havia uma planta que caía curvadamente sobre
os tons verdejantes daquela noite e eu apenas
(e já era tanto, meu deus!)
era também 1 ser mortal que estava ali,
não por acaso, pois nada acontece assim,

eu estava mesmo ali?,
a

olhá-la
,

como se tudo estivesse acontecer-me
pela vez.



(Agosto-2010)

e derepente pensei....

- Foto de J.A.M. - 25-Agosto-2010 -



e derepente, alguém em mim alertou-me, soprando-me ao 3º ouvido:

como tudo é tão frágil neste Mundo



(j.a.m.)

25.8.10

coisas simples & divinas p.f. / things simple & divine, please

- Imagem Construída. J.A.M. -

msg

- Imagem Construída. J.A.M. -

encontro assinado nas águas dos tempos que passam

- Imagem Construída. J.A.M. -

houve 1 encontro se bem me lembro no rio de ouro, eteceteras


- Imagem Construída. J.A.M. -






+ ou - em fila indiana muito desorganizada pelos lados vão por ali umas gaivotas deslizando sobre o rio douro levadas levadas sim ao sabor da corrente que aproveitam naturalmente como só elas sabem e de vez em quando, uma ou outra levanta-se em voo curto nas alturas, debica rápido algo na água imagino que é 1 peixinho desarmado e ainda por cima, ou melhor, por baixo da água: distraído, e a gaivota estremece muitomuito as asas brevemente para se equilibrar e lá prossegue....


Só : turistas de cá & de acolás a atirarem fotos é o habitual cenário nestas paragens e depois - estou a vê-los ! - chegam ao fim das férias e lá em casa com os amigos há mais histórias do que realmente aconteceram, mas é assim a vidinha koitados, sabe lá Deus o inferno que eles aguentam nos outros 11 meses propriamente dito & agora é mas é tempo para esquecer MAS



"ela" já está atrasada pois o Sol foi o pretexto imediato do encontro e vejo que já se está a findar definitivamente, mas: visto atentamente deste lado o Porto tem demasiados carros há coisas, como todo o mundo sabe, que se vêem melhor com a distância.

O fado preguiçoso que ouço nesta esplanada sobranceiro ao rio onde já houve ouro a navegar oubi dizer, é um choro de amor com um não-sei-quê de sentimento quiçá tenha sido algo verdadeiro pelos inícios, mas ao escutá-lo atentamente até acho que não.


Marketings para inglês ver... agora tb há espanhóis, franceses, nórdicos, tantas divisas a entrarem no país.... Para os bolsos de quem, no fim das contas feitas ?




há ainda o fado e as outras "artes" por aí...os comércios imperiais desta época, ...enFIM!


(Money, money,money, money, I end up feeling with feathers )



(Agosto. 2010)

regressei ao restaurante da rosa



já há uns bons tempos que não ia a um restaurante chinês sei-lá-porquê,e então hoje deu-me para ir parar ao Restaurante da Rosa, mas afinal a Rosa andava por outros jardins...
Fui imediatamente recebido por uma chinesinha nova lá no sítio que me abriu o espaço com uma simpatia que me surpreendeu. "O restaurante já teve melhores dias," pensei eu cá para com os meus botões.
Sentei-me,é claro retribuindo a simpatia da menina com um sorriso q.b., mas até sincero lá no fundo, apesar das dúvidas anteriormente implícitas. comi algo que até estava comestível, com o complemento directo de 1 vinho branco fresco demais e para enlaçar a coisa,: café & saqué de rosas.

Estava tudo bem, nos intervalos olhava à-volta para aquelas pinturas como quem ainda tem a vã esperança de descobrir algo de novo naquilo e pronto.

Entretanto ponho-me a observar a empregada chinesinha, comedidamente, é Claro (aliás, nem por isso pois a luz não era assim tanta como isso), elegante, fininha, jovem de rabo de cavalo e tentei adivinhar-lhe algo de dentro dela mesmo, para além da manifesta simpatia demonstrada, até há data, interpretada por mim desde o início, como algo de forçadamente elaborado devido às suas circunstâncias, legítimas sem quaisquer dúvidas da minha parte em relação aos naturais mecanismos humanos das sobrevivências.
Não estava a ser fácil, chegar a outros portos... a pikena estava por aqui há 1 ano, respondeu-me, já arranha o português do cardápio e acho que pouco mais & continua a sorrir enquanto lhe falo , mas
com este pessoal nunca tenho certeza alguma. eu olho-a nos olhos e ela "espreita-me".

Consegui há pouca entabular uma mini-conversa com a outra matrona-chinesa que acudiu a uma repentina excursão de clientes. Disse-lhe que era um antigo cliente da casa, perguntei-lhe onde parava a Rosa e ela disse algo de Avero e preparei-a psicologicamente para me oferecer, por decisão própria se possível, o 2º saqué de rosas, que afinal ! depois lá viria aparecer mas ainda a seu tempo, o que no tempo da Rosa era trigo limpo, koisa certa.
Itálico
A outra chinesinha, dava-se em contas destes diálogos, ao longe descansada pelo balcão, - enquanto podia - e olhando-me ou espreitando-me ou já não sei bem. Tudo é sempre tão subjectivo, não é?

Bá-lá, a música? suave & calma. obrigava o grosso do maralhal ali presente (que comemoravam juntos algo importante para eles, mas que eu só entendi não ser um tal de aniversário) a não falarem Alto, graças a Deus, o que eu agradeci muda e convictamente ,com toda a fé deste e do outro mundo, aos músicos chineses, aos deuses chineses e portugueses e a tudo o que podia ter contribuído para tal.

Pedi conta, que remédio ainda com esperanças no que é sempre provável acontecer-me, e o tal saqué de borla Lá Surgiu, En fim, vale mais tarde do que never and never, e rejubilei saborosamente ter reavido um privilégio.
Fiquei com a ligeira e mui passageira impressão, que a chinesa-matrona apenas me obedeceu, o que perante os relatos citados anteriormente, não é facto que me tenha preo cupado mais que o tempo de foguear 1 cigarro já em plena rua coberta pela noite e algumas estrelas.



(agosto-2010)

Cem Título(s) - untitled

- Imagem Construída. J.A.M. -



" O amor é um rio onde as águas de dois rios se misturam sem se confundir"

(Jacques Bossuet)

23.8.10

4ª pedaço de mim. Para 1 livro que há-.de ser se fôr




(...) hoje passeando-me aolongo da praia até a um lugar que fixei longe no início do exercício e onde cheguei cumprindo uma promessa que fiz tacitamente com o meu corpo, então os meus eus & ele lá fomos todos e voltámos, mas nos entretantos
que me foram acontecendo, houve uma silhueta de mulher muito bem desenhada à minha frente, passeando-se também, de onde se destacava de um modo espantosamente evidente, uma bunda bamboleando-se num ritmo mt bem balanceado. Mas que linda bunda, depois de uma cintura estreita (que me pareceu alheia a tal facto) e ali ia ela - a bunda, claro - tão viva realmente tão cheia de personalidade própria.

"a Beleza derrota-me", desabafo às vezes entre amigos do peito e ali fui, atrás daquela bundinha, mas no meu ritmo passeante, desde o início imposto por um dos meus eus ao meu dito corpo. Ao aproximar-me, o que aconteceu após milhares de miradas e inconsequentes pensamentos, voltei a desenhar-lhe os contornos desde a mancha de cabelos presos lá no alto, passando pelos ombros e depois desci pelos braços que remavam cada um no seu equilíbrio, depois kaí ! num gesto + rápido, pelas linhas quase paralelas marginais das costas, onde estanquei o incêndio no olhar para, continuar a ver com os olhos mais iluminados pelo meu sol de dentro e o nosso comum sol de fora, aquele mundozinho mui único daquela bunda e por aky já ia aos pormenores, as duas linhas uma de cada lado que re+matavam os 2 volumes redondinhos e depois só para ter uma noção mais completa da totalidade, acabava por desenhar-lhe de uma só penada, ambas as pernas que encaminhavam a obra.

Quando a ultrapassei, dentro do meu constante ritmo próprio, depois de um outro dos meus eus ter convencido um dos meus eus anteriores que esteve na chefia por momentos, de que não se deve mesmo ser escravo de nada, mesmo que esse nada seja a Beleza

- quando surgiu o momento de a deixar para trás, dizia eu, aparece-me um outro de mim a tentar abrir-se às vibrações, aos possíveis aromas astrais daquele corpo, diria agora : daquele ser humano que me tinha arrancado um bom pedaço do tempo da minha vida e me tornara demasiado exclusivodimais para quem gosta como eu, no geral dos meus eus (onde parece-me já haver uma certa unidade) de absorver-me em muitas coisas com a concentração centrada nas próprias e ir saltando daqui para acolá, quando não me dá mesmo para dançar entre essas coisas & loisas do Mundo.
E, afinal muito francamente cheirou-me a nada.

Mas.
Tudo vale a pena, quando há uma bunda destas à mão de semear dos nossos 2 olhos mortais que 1 dia destes a terra há-de comer (...)

(Agosto-2010)

porque eu axo ke as coisas mesmo BELAS, não cansam

as koisas mesmo Belas, não cansam

barco quase negro

- Rio Preguiças. Maranhão. Brasil. Foto de j.A.M. -

.................................................

22.8.10

Labirintho & Poesia

- O meu amigo José Carlos Tinoco a "dar cartas" nas Poesias. 19-08.10 - Foto de J.A.M. -



- o meu amigo pintor António Domingos "empurrado-suavemente" para o palco, esteve Bem! Foto de J.A.M. -

- Imagem Construída. J.A.M. -


O Velho e a Águia

Um velho encontrou uma águia que havia sido capturada. Admirado com a sua beleza, soltou-a, devolvendo-lhe a liberdade. Ela não mostrou ingratidão, pois, vendo o velho recostado a um muro prestes a ruir, voou e pegou com as garras o manto que cingia a sua cabeça.

O velho, então, levantou-se para a perseguir, e a águia deixou cair o pano. Imediatamente o velho pegou no seu pano e voltou ao lugar onde estivera sentado.
Surpreendido, viu que o muro tinha caído e ficou admirado com a retribuição da águia.



Moral da estória: o bem que fizeres, ser-te-á devolvido.

(autor anónimo)


MANDE AVISAR (Gabriel, O Pensador)

20.8.10

eu ká não gosto de andar pendurado nos outros: Mas, Camões é Camões, porra!




"Quem vê, Senhora, claro e manifesto

o lindo ser de vossos olhos belos
se não perder a vista só em vê-los
já não paga o que deve a vosso gesto.

Este me parecia preço honesto;
mas eu, por de vantagem merecê-los,
dei mais a vida e alma por querê-los,
donde já não fica mais do resto.

Assi que a vida e alma e esperança
e tudo quanto tenho, tudo é vosso,
e o proveito disso eu só o levo.

Porque é tamanha bem-aventurança
o dar-vos quanto tenho e quanto posso
que, quanto mais vos pago, mais vos devo."



(in, Poesia Lírica. Luís de Camões)

coisas simples p.f.


- Foto de J.A.M./ Agosto.2010 -

Sol di Manhã (Paulino Vieira)

béu-béu-catrapéu-pardais-à-sombra


- Foto. J.A.M. -

3ª Pedaço de mim. Para 1 Livro que há-de ser se fôr



(...) Porque nos cai agora o azul sobre as cabeças? É o hábito das visões.
Lembro como um barco balouçava doucement-doucement , como quem nem dá por isso, nos águas aluados do Rio Preguiças no Brasil. Com uma lamparina acordada no convés, onde alguém escrevia as suas coisas da vida de todos.
E agora, o barco já acordado no dia seguinte, descia preguiçadamente entre as duas margens de florestas e tudo eram verdesviajantes até à sua foz em Caburé, onde soube de um milagre: alguém aparecia à noite cavalgando um cavalo branco e esbelto sobre as águas do rio e era mulher diziam alguns outros, não sei mas gostaria de saber, pensei eu, e então fiquei por ali para ver a história e tudo aconteceu assim. Em silêncio:
De rompante, numa incerteza da escuridão, apareceu a imagem em fuga mesmo ali à frente dos nossos narizes, e deixou uma brisa de espanto calado sobre quem olhava e depois, realmente maisnada. Todo o mundo se olhou, estranhadamente. Ninguém falou.(...)

19.8.10

Também há a: Porta Transparente

- Foto de J.A.M.- algures na Tunísia -

A Porta Fechada Mas é da Cor -de- Laranjas Vivas

- Foto de J.A.M. -

2º Pedaço de mim. Para 1 Livro que há-de Ser se fôr.




(...) a gente vai sabendo as coisas para as esquecer e aprender a saber outras coisas. Amparamo-nos nisto & naquilo ao sabor dos gostos e desgostos que o coração nos vai dando. Tudo é sempre primeiro uma questão de gostos, nestas abordagens aos conhecimentos. Depois, aparece a cabeça para se alimentar, arquitecturar, justificar, demonstrar, tantas vezes, com vazios & venenos perfeitamente escusados, aos tais sopros originais.


- Alguém passeia-se sozinho algures por caminhos e paisagens, onde há pedras pelo chão e acontece-lhe curvar-se de repente, por algo que o chama sem dar-bem-por-isso e há um diamante entre as suas mãos, o olhar turvo pelo brilho demasiado naquele instante mediático que também o sol , atento a tudo onde há vida, lhe oferece e depois?


Há quem logo veja ali o diamante, há quem não dê conta do vislumbre que lhe aconteceu e continue apegado aos seus hábitos, atirando o pequeno calhau para as águas do rio que desliza por ali, no seu acasa e indiferente a tudo isto.
Os hábitos escravizam-nos tornam-nos cegos.

Todos os dias acontecem coisas assim parecem banais porque são diárias, mas não o são, não.
Nada é banal nesta vida que nos está acontecendo. (...)


(J.A.M. - Agosto-2010)

18.8.10

is a long way

- Foto trabalhada. J.A.M. -

1º pedaço de mim . 1 Livro que talvez há-de Ser se fôr.





(...) a despropósito, digo há anos entre os amigos do peito, quando me apetece falar: "a beleza derrota-me". Na escala dos exemplos, eles sabem, tanto falo de uma flor como de uma bela mulher.
Na realidade é a única coisa na Vida, que me pode tornar escravo por pura e consciente vontade própria.
No inicio destas circunstancias, andei desalmadamente a ler resmas de livros, à procura de uma resposta, filosofias, psicologias, escritas esotéricas, poetas - Mas...
Os mais fora e dentro do assunto faziam perguntas como eu.
Não há respostas.
Há morais, religiões, e os outros eteceteras que amparam os desassossegos humanos.
O caminho de cada é criado por cada um (....)


(Gaia-17/18-08-2010)