22.3.17

Alguém passeia-se porque lhe deu para tal



Alguém passeia-se algures por caminhos e paisagens onde há pedras pelo chão e acontece-lhe curvar-se de repente, por algo que o chama sem dar-bem-por-isso e há um diamante entre as suas mãos, o olhar turva-se pelo brilho demasiado naquele instante mediático que também o sol, atento a tudo onde há vida, lhe oferece e depois?
 
Há quem logo veja ali um presente, há quem não dê conta do vislumbre que lhe aconteceu e continue apegado aos seus hábitos, atirando o pequeno calhau para as águas do rio que desliza por ali no seu ocaso indiferente a tudo isto.
 
Os hábitos escravizam  tornam-nos cegos.
Todos os dias acontecem coisas assim, parecem banais porque são diárias, mas não o são, não.
Nada é banal nesta vida que nos está acontecendo.
E por aqui os diamantes não têm quaisquer preços, são iluminadas fontes metafóricas, criados pela infindável sede que também vive nos profundos lençóis da Terra:
Quanto demora uma árvore a ser luz?


(J.A.M. - BhutanAgosto-2010. Alterado.2016.Alerado.2017)

Sem comentários: