24.3.17

Intrudução à Telepatia ( 1987)



Algures pertenço ao silêncio
enquanto suspendo da boca
o fio liso das montanhas nos horizontes
recortadas junto às luas.

Mansas mulheres
devoram-me as esquinas ás palavras
passeiam-se em línguas estrangeiras
estão atentas às suas imagens.

Hoje ocupo-me dos pequenos milagres
da linguagem. Fui esquimó europeu árabe
e em todos tive a mesma voraz atenção
a mesma língua muda transparente
em cada sílaba eu senti
o vai-vem dos corações sem tempo.

Encontrei poetas pessoas sentadas
cheias, outras a dormirem cansadas
da eternidade.
Em cada um vi a idade nua, fechada
por uma obra silente nos olhos.
Em cada língua soube falar calado
e não houve alguém voltado de repente
olhando-me atónito
como se estivéssemos colocados fora
do lugar.

Por isso, toco o silêncio. Muitas vezes.
Queimo-me nas vertigens dos gestos falados
querendo prolongar este talento tão ardente
& tão natural
a espera fulminada pelos dons das mulheres leves
intuitivas
pois é delas esta arte adivinhatória, este estilo
totalmente original
abandonando os campos absurdos da mente.

As paisagens iniciais atam e desatam-me
o corpo. Os silêncios vivem de um veneno puro
no éter, desdobram a luz das estrelas
por onde outros códigos cantam os corpos
comunicantes
em claros encontros fora das palavras.


Autor: J.A.M.

(Retrospetivas, fase intelectualin, O Triângulo de Ouro.
( Prémio Revelação de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores-1987.Elemento do júri: António Ramos Rosa. Editado em 1988)


Sem comentários: