15.4.17

luz derramada sem asas



Oh, como a Luz de deus é brava
fustiga com chicotes os cometas as sombras
esvoaçando á toa
perdidas caídas
nos espelhos velozes
destes dias assim.

eu sei eu não sei eu sinto eu vejo
como a Terra voa em tantas asas
como há de raízes & árvores e pássaros
a cantarem as madrugadas
e no meio, no centro inexistente de tudo
há um olho fechado  ~ eu vejO-te
para que o sonho que já está aqui
seja lento a poisar sobre os prados
e as pessoas quando se olharem ao olharem
se tornem cegas e mais inteiras numa outra
luz.

de repente, tudo voltará a ser. Como sempre
talvez, para muitos.


 ( 29-03-2017. 3 h 47 m.)

Sem comentários: