4.10.11

( Meiri )



Os lençóis negros da noite desciam  tombavam  adormeciam colados uns aos outros,  como folhas outonais que se voltam a juntar.

Depois de várias voltas por N ruas obscuras da cidade pareceu-me que era por ali que a festa começava a fervilhar. No passeio de uma rua desamparada, encontrei um banco á minha espera e pedi  ali á Sr.ª da rolote uma cerveja bem gelada. Recostei-me, costas com parede e vice-versa, e pus-me a pastar vacarosamente o olhar à volta.

Havia de tudo o que era gente, jovens em grupos soltos e felizmente assim, pessoas solitárias, alguns com ar de quem procura desespiradamente libertarem-se dakilo, outros já mais ancorados nas suas derradeiras sortes, havia casais apaixonados que nem pássaros azurumbados, havia também mulheres de todas as cores e as mais belas prendiam-me o olhar por mais tempo e depois,
desapareciam pelas demasiadas portas dos vários bares de onde se soltavam canções às molhadas e, de quando em vez, tudo aquilo fundia-se no fundo mais fundo de mim próprio e dava-me sede para mais uma cerveja.

Por cima : a Grandiosa escuridão universal, salpicada de estrelas e uma clara sensação de vastidão completamente alheada  de tudo.

A incerta altura, uma menina sozinha, por dentro e por fora, aproximou-se de mim, de cerveja na mão e sentou-se a meu lado. Depois continuou calada, ancorada e eu também não de cerveja na mão. Encostou a sua tristeza desarmada ao meu ombro abrigada e eu comecei a cantar. As minhas canções eram peixes criados ali, para o seu mar. Sem darmos por isso, pusemos os olhos nos olhos e começámo-nos a amar. O seu fundo sereno já  tinha outro olhar. E uma paixão qualquer desceu  naquele lugar.
Claro que o dia nasceu
sem nos avisar.


( Brasil. Fortaleza. 2003 ? )

Sem comentários: